sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

sangre

a vida é um sopro
a paixão é um suspiro
o amor é um esboço
a tesão é um gemido
a alegria é um gozo
a ilusão é um respiro
a solidão é um poço
a saudade é um vampiro

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

por muito pouco

eu vi a morte 
da janela do meu pai
e um calor 
de esquentar os ossos
veio me trazer lembranças
e aliviar o tormento
nesse buraco fundo e vazio
em que eu me encontrei

eu vi a morte 
da janela do meu pai
e um mormaço 
me apertou os olhos
e fechou a garganta
até soprar um vento
e me dizer que tudo
tudo terminaria bem

eu vi a morte 
da janela do meu pai
mas ela foi embora
por muito pouco
pouco mesmo...

terça-feira, 14 de novembro de 2017

cem graus

dizer que o amor se transforma
é uma bela desculpa
pra não dizer que desgasta
e não mais sufoca

amar é ponto de ebulição

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

carcará

sobrevoa os meus sonhos
feito ave de rapina

vez em quando se aproxima
e morde a carne que foi sua

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

remember

não fosse
o chão em falso
o corpo exausto
e o coração flechado

diria apenas que foi bom

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

pranto

chora o céu de setembro
pelos trabalhadores desempregados
pelo massacre dos porongos 
há tanto tempo comemorado
pelos índios exterminados 
por atrapalhar o agronegócio
por todo o lixo depositado
embaixo dos tapetes de luxo

chora o céu de setembro 
pelos moradores de rua 
pelo poeta abandonado 
que morreu nos braços da chuva 
pela devastação da amazônia 
pela censura à manifestação artística
pela fome que voltará ao subúrbio
por todo ódio que interrompe a vida

chora, oh céu de setembro

terça-feira, 12 de setembro de 2017

doses homeopáticas

eu vi um bicho
saindo do lixo
ler Manuel Bandeira
e conheci um sonhador
que utilizava a própria dor
pra tecer poemas
eu ouvi um caboclo
com fama de louco
dizer genialidades
e ajudei um poeta
a sair da gaveta
pra posteridade