quarta-feira, 8 de julho de 2015

o teu amor... agora é pó

o teu amor de dedo em riste
prensou meu sol contra a parede
e acusou o meu silêncio
por não ter nada o que dizer
o teu amor, tão egoísta
usou pronomes possessivos
teceu promessas chantagistas
só dava conta de você

o teu amor de dedo em riste
calou a voz do contraponto
e instituiu a pátria triste
de ter uma verdade só
o teu amor de egoísta
minguou com ar da intolerância
e se rendeu a impermanência
no instante em que veio o pior

o teu amor... agora é pó 

Nenhum comentário:

Postar um comentário