sexta-feira, 19 de outubro de 2012

O céu da percepção

Foto: Alexandre Neutzling

Poesia
Reflexo de uma sensação
Caía
A tarde no céu da percepção
Doentia
De um poeta ancião
Apaixonado pela boemia

Olhos e ouvidos atentos
Olhar perdido no horizonte
O silêncio das estrelas
Paira no ar
E alguns desejos oprimidos
Provocam reações distorcidas
Após algumas doses de um Whisky
Vencido pela ousadia de quem
Não desistiu um minuto
Até encontrar o seu fim

Sim
A solidão só é percebida no dia seguinte
Quando uma dor de cabeça
Transforma a cama num grande deserto
E o corpo já não responde mais
E não há ninguém por perto.

Um comentário:

  1. É triste essa solidão que se infiltra pelos versos até ao leitor...

    ResponderExcluir